O Apocalipse de "Jesus Cristo" 

Estudo do Apocalipse

                                              Estudo sobre o livro do Apocalipse


O livro de Apocalipse é dividido em cinco partes principais:


  1. Prólogo, ou introdução, 1.1-8
  2. "As coisas que viste" fala do que estava acontecendo naquele momento: 1.9-20
  3. "As coisas que são" se refere às cartas que João começava a escrever: 2.1 . 3.22
  4. "As coisa que hão de acontecer depois destas" ou seja, todo o restante do livro: 4.1 . 22.5
  5. Epílogo, ou o final do livro: 22.6-21

 

Este é o único livro da Bíblia que promete bênção a quem o lê (1.3), no entanto é o mais enigmático dos livros. Possui muitas alegorias e está repleto de textos de difícil interpretação.

 

Não devemos ter medo de lê-lo, desde que nesta leitura busquemos a instrução e ajuda do Espírito Santo, para não fazermos conclusões impróprias. Para compreendê-lo melhor é necessário muita dedicação no estudo.

 

A palavra Apocalipse vem do grego e quer dizer "descobrir", "revelação". O livro tem este título por causa do primeiro versículo e também por causa do seu conteúdo. Foi escrito por João, o apóstolo, que o escreveu quando esteve exilado na ilha de Patmos, devido a perseguição aos cristãos imposta pelo Imperador Romano.

 

Apocalipse foi o últimos livro a ser escrito, por volta do ano 95 d.C. Nesta época o Imperador era o cruel Domiciano, que nutria um ódio mortal pelos cristãos.

 

A partir do capítulo quatro todo o texto de Apocalipse trata do futuro (as que hão de acontecer), por isso se faz necessário voltarmos um pouco na história para compreendermos melhor o futuro. Na verdade, seria preciso um profundo estudo do livro de Daniel, pois de modo incrível podemos afirmar que Apocalipse é o complemento do livro de Daniel.

 

Daniel foi levado ainda muito jovem para Babilônia em 605 a.C. quando esta derrotou de vez Jerusalém e levou muitos cativos. Em Babilônia Daniel teve algumas visões acerca do fim dos tempos. Vamos falar resumidamente dos pontos mais importantes.

 

No capítulo dois de Daniel o rei Nabucodonossor tem um sonho. Uma estátua que, de acordo com a interpretação, representa o domínio babilônico (cabeça de ouro); o domínio Medo-Persa (peito e braços de prata); o império Grego (ventre de bronze); o último império, o romano é dividido em duas partes (as duas pernas de ferro) refere-se até a época de Constantino e os pés de ferro misturados com barro, refere-se ao futuro império romano, que muitos concordam se tratar da União Européia (os dez dedos serão dez países).

 

A mesma simbologia é mostrada no capítulo sete, onde temos quatro animais que representam: O primeiro animal – Babilônia

 

O segundo animal - Medos e Persas

 

O terceiro animal - os Gregos

 

O quarto animal - o Império Romano

 

No capítulo nove Daniel recebe a visão das setenta semanas (9.24-27) "Setenta semanas estão decretadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o santíssimo. Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém até o ungido, o príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; com praças e tranqueiras se reedificará, mas em tempos angustiosos. E depois de sessenta e duas semanas será cortado o ungido, e nada lhe subsistirá; e o povo do príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até o fim haverá guerra; estão determinadas assolações. E ele fará um pacto firme com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador; e até a destruição determinada, a qual será derramada sobre o assolador". Estas semana são semanas proféticas, onde cada dia representa um ano. Assim, cada dia da nossa semana normal, representa um ano (365 dias), o que nos leva a seguinte sentença matemática: 70 vezes 7.

 

Deus revela a Daniel que a história dos judeus ("sobre o teu povo") estaria limitada a mais 490 anos, a partir de um ponto inicial que foi minuciosamente determinado por Ele. Este marco inicial é a ordem do Rei Artaxerxes Longimanus, emitida em 445 (Ne 2.5) Deus também diz que entre a semana 69ª e a 70ª, haveria um intervalo de tempo, que não foi determinado o quanto. Este tempo é o período onde Ele passaria a se relacionar com outro povo: a Igreja.

 

Neste texto acima, vemos que Deus revela a Daniel que Jesus seria morto. Ao morrer, Jesus abre o caminho para a Igreja, e dá início ao intervalo de tempo mencionado no parágrafo anterior. Este intervalo é o que estamos vivendo hoje. Não sabemos quanto tempo ele vai durar, mas as profecias apontam para breve o seu fim. Pessoalmente eu creio que esta geração será a que passará pela experiência do arrebatamento.

 

Quando Deus decidir, este parêntese será fechado e aí retoma-se a contagem das semanas, que será a 70ª. Mais adiante vamos entender melhor. As revelações do Apocalipse a partir do capítulo quatro são justamente esta última semana da profecia de Daniel.

 

Compreendido um pouco do passado, vamos agora tentar entender o futuro. O que será preciso acontecer para dar reinício à contagem das semanas ? Exatamente o arrebatamento da Igreja. É isto que vai "dar corda ao relógio" de Deus. Vamos ver como isto será:

 


Ordem dos eventos escatológicos

 

Como se percebe, com a morte de Cristo, cumpriu-se o último evento da semana de número 69 da profecia de Daniel. Inicia-se o Parêntese de Deus. E o que vai determinar o reinício da contagem da semana derradeira para o cumprimento total da profecia?

 

É justamente a retirada da Igreja pelo que conhecemos como arrebatamento. Como disse, a profecia de Daniel é para o povo judeu (Dn 9.24 "sobre o teu povo") e como estamos vivendo o período de "intervalo", nós, a Igreja, precisamos ser afastados para que Deus trate com Israel.

 

Vamos ver como será, então, os futuros eventos na história da humanidade, de que nos fala o livro de Apocalipse.

 

I . Arrebatamento da Igreja . O arrebatamento da Igreja é o rapto dos crentes que estiverem vivos, antecedido pela ressurreição e reunião com os crentes que já morreram (I Ts 4.16). É o marco decisivo na história da humanidade. É o que "dará corda" no relógio de Deus. Alguns estudiosos afirmam que o arrebatamento será no fim da Grande Tribulação, ou seja, a Igreja sofrerá os danos destes sete anos de tormento. No entanto as razões para não crermos que a Igreja passará por este período aqui na terra são muitas. Basicamente:

 

  1. A Grande Tribulação fala de juízo, da ira de Deus, de castigo e indignação, de angústia, destruição e obscuridade. Estas coisas são incompatíveis para com a noiva de Cristo. Sabemos que a Igreja já foi justificada, portanto não está debaixo de juízo ou da ira de Deus . Rm 3.24; 5.9; I Co 6.11.
  2. Se a Igreja vai passar pela Grande Tribulação, então pode-se datar com certa precisão a segunda vinda de Cristo. Basta identificar o início da Grande Tribulação e contar mais sete anos.
  3. Os sofrimentos causados por Antioco Epífanes são tidos como tipo da Grande Tribulação. Se pudermos afirmar isto, devemos concluir que se refere a Israel, nada tendo a ver com a Igreja.
  4. Qual a razão da Grande Tribulação?
  5. Purificação: Se a purificação pelo sofrimento se faz mister, então o Sangue de Jesus não é suficiente em si mesmo.
  6. Juízo: Se a Igreja precisa sofrer juízo, a morte de Cristo igualmente se faz ineficaz em si mesma.
  7. Alguém identificou as duas testemunhas de Ap 11 como sendo Israel e a Igreja. Se uma das duas testemunhas a que se refere o texto de é a Igreja, por que ela vai morrer? Como será a morte da Igreja?
  8. Se os sofrimentos da Grande Tribulação são imprescindíveis, não seria injusto os períodos de paz e tranqüilidade que muitas gerações, como a nossa por exemplo, viveram ou vivem em face a estes derradeiros cristãos da história da Igreja?
  9. De acordo com Daniel 9, os fatos que ocorrerão na Grande Tribulação têm a ver diretamente com Israel. Daniel não nos diz quando vão começar, apenas que vão durar sete anos. O que marcará o início da contagem destes sete anos? O arrebatamento da Igreja.
  10. A Grande Tribulação será marcada pela ação poderosa de Satanás na terra. Alguma coisa o impede para que não exerça este domínio agora. É o que nos diz II Ts 2.1-12. A pergunta não deve ser quem é este alguém, mas: quando este detetor será tirado? Imediatamente antes do início da Grande Tribulação. Vejamos: Se for o Espírito Santo a quem Paulo se refere, como poderá subsistir a Igreja sem a presença dele em nossos corações? O Espírito Santo então deixará de morar no coração de cada crente. Isto é possível? É Ele quem nos convence do que é certo ou errado; é Ele quem nos inspira orar e adorar verdadeiramente; é Ele quem nos leva a Cristo; se Ele for, a Igreja vai junto. No entanto, dentre as várias razões para crer que Paulo se refere a Igreja, é que a autoridade sobre o poder das trevas foi concedido a ela (Lc 10.18-19; Mt 16.18). Para que Satanás tenha liberdade nas suas ações, a Igreja precisa ser retirada.
  11. "As nações do mundo serão julgadas. O Homem e seus reinos rejeitaram a Deus e receberão o castigo. Israel será levado a uma hora de reflexão e, por fim, voltar-se a Cristo. A Tribulação não foi preparada para a Igreja, porque a ira de Deus sobre ela foi apagada na cruz do Calvário" (Kepler Nigh . Manual de Estudos Proféticos, ed. Vida).

 

 

Arrebatamento versus Segunda Vinda de Cristo.

 

 

O arrebatamento é o rapto da Igreja para livrá-la dos juízo de Deus sobre a terra. A segunda vinda é a volta de Cristo para reinar na terra e será no final da Grande Tribulação. Todos concordam que a última semana de Daniel 9.24-27 é esta semana do Apocalipse. Concordam também que estas semanas são de tratamento exclusivo de Deus com o povo de Israel. Nada têm a ver com a Igreja.

 

A Igreja é a noiva de Cristo. Ela ocupa um lugar todo especial e somente a Noiva terá privilégios que ninguém mais terá. Podemos ver no livro de Apocalipse que haverá pessoas que serão salvas na Grande Tribulação, não pela fé em Cristo, mas por causa da fidelidade ante os sofrimentos. No entanto, não há uma só brecha de interpretação que estes salvos serão Noiva de Cristo.

 

Podemos ver que Moisés, Davi, Daniel, entre outros, nunca foram chamados de Noiva de Cristo. Isto porque não são. Noiva somos somente nós, que fomos privilegiados e predestinados por Deus para ocupar tal posição incomparável no reino dos céus. Lá, Moisés será Moisés; Davi será Davi; Daniel será Daniel; você e eu seremos a Noiva de Cristo.

 

 

Arrebatamento.

 

  1. A Palavra arrebatamento no original significa: arrancado de repente pela força.
  2. Jesus vem em secreto para buscar os crentes.
  3. Os crentes serão transformados! (Mt 25.13; Lc 17:20-37; Jo 14.3; I Co 15.51-52; Fl 3.20-21; I Ts 2.19; I Ts 4.13-18; II Ts 2.1; Tt 2.13; Tg 5.7-8; Hb 9.28; II Pe 3.10-12; I Jo 3.2;).

 

Segunda vinda de Cristo.

 

  1. Jesus vem para julgar.
  2. Salvar os que se arrependeram dentre o povo.
  3. Dar início ao Milênio.
  4. Reinar como o descendente prometido de Davi, como Rei de Israel. (Mt 24.30; 25.31-32; Lc 1.32; Fp 2.9-10; Cl 3.4; I Jo 3.2-3; Jd 14-15; Ap 19.19-21; Ap 20.4 )

 

II . A grande Tribulação. - Os eventos que ocorrerão na semana de número 70 de Daniel são descritos em Apocalipse. Será um período de 7 anos, divido em duas partes de 3 anos e meio cada. Na primeira metade, Satanás trará alguns males, representado pelos selos. Enganará os moradores da terra, trazendo relativa paz e tranqüilidade; resolverá os problemas políticos e econômicos, mas, ao tentar receber adoração dos judeus, dentro do templo reconstruído em Jerusalém, no lugar santíssimo, será rompida a aliança entre ele e Israel. Após isso, sobrevirá sobre a terra os juízos de Deus, chamados de trombetas e taças. Aparentemente, estes dois últimos acontecerão simultaneamente. Alguns destes juízos serão catástrofes naturais (terremotos, maremotos, pragas, poluições, quedas de asteróides, etc.), mas haverá também juízos sobrenaturais.

 

 

Os Selos

 

  1. Primeiro Cavaleiro . branco . O anticristo se apresenta.
  2. Segundo Cavaleiro . vermelho . Guerra generalizada.
  3. Terceiro Cavaleiro . preto . Escassez de alimento.
  4. Quarto Cavaleiro . amarelo . Mortalidade mundial.
  5. Os santos são martirizados.
  6. Cataclismos no céu e na terra .
  7. A abertura das trombetas

 

As Trombetas

 

  1. A terça parte da terra consumida pelo fogo.
  2. A terça parte da do mar é destruído
  3. A terça parte da água potável se torna imprópria.
  4. O sol perde um terço da sua luminosidade.
  5. Primeiro ai . Gafanhotos do abismo
  6. Segundo ai . A terça parte dos homens são mortos.
  7. Terceiro ai . A abertura da Taças.

 

As Taças

 

1.Tumores e pestes generalizadas.

2.Morte de toda a vida marinha.

3.Total perda das águas potáveis.

4.Irradiação solar se agrava profundamente, provocando a morte dos homens.

5.O Anticristo é imobilizado.

6.Batalha do Armagedom.

7.Babilônia é destruída.

 

 

III . As bodas do Cordeiro . Que acontecerá ao final da Grande Tribulação, instantes antes da 2ª vinda de Cristo à terra, para a batalha do armagedom (Ap 19.1-8)? A Igreja arrebatada instantes antes do início da Grande Tribulação, esteve todos este anos se preparando para as bodas, tal qual uma noiva comum, a de Cristo também precisa de muito tempo para se embelezar para o seu noivo.

IV . A Batalha do Armagedom . É a batalha de Cristo junto com seu exército para defender Israel do ataque das nações confederadas contra estes no vale do Armagedom. É aqui que se cumpre a profecia de Daniel 2.34-35. Na Grande Tribulação, as nações continuarão existindo como hoje. Um líder político governará o mundo. Estamos caminhando para isso com as globalizações da economia e política nos vários "mercados comuns". Na metade da Grande Tribulação uma aliança conseguida com os judeus desde o início será quebrada, pois o Anticristo, Satanás, vai querer receber adoração dentro do Santo dos Santos do Templo judeu reconstruído. Como estes não farão isto, Satanás reunirá muitas nações para varrer Israel do mapa. É aí que Cristo aparece e destrói todos os inimigos dos judeus.

V . O Milênio . O Milênio será um período de mil anos que será implantado logo após a batalha do Armagedom. Neste período Jesus estará reinando na terra, em Israel, como Rei de todo o mundo. Nestes anos a terra será um local de perfeita paz, como descreve Is 11.6-9. Após estes mil anos, Satanás, que esteve preso por todo este tempo, será solto para provar uma vez mais os habitantes da terra. Por fim ele será lançado definitivamente no inferno, junto com todos os demônios, a morte e todos que não se encontram inscritos no livro da vida. Neste período de mil anos, Cristo reinará na terra, junto com os santos que foram ressuscitados no final da Grande Tribulação (Ap 19.4-6).

VI . Satanás é solto e por um tempo não determinado, seduzirá novamente as nações. Então será definitivamente lançado no lago de fogo e enxofre, onde já estão a besta e o falso profeta (Ap 19.7-10).

VII . O Juízo Final - Aqui serão julgados todos os homens, os salvos para receberem o galardão, e os ímpios para a condenação eterna.

VIII . O Estado Eterno . A nova Jerusalém de Apocalipse 21 e 22 é o lugar onde toda a humanidade passará a eternidade, ao lado de Deus, do Senhor Jesus e do Espírito Santo.

Eventos parentéticos dentro da grande Tribulação

As duas testemunhas . Não há unanimidade em relação a estas duas testemunhas por parte dos estudiosos. Sabe-se apenas que elas terão um papel muito importante dentro do contexto da Grande Tribulação. Parece que será pelo ministério profético delas que Israel romperá o pacto com o Anticristo. Qualquer coisa além do que está literalmente escrito em Apocalipse, é mera especulação. E, como a atuação delas não afeta nossa linha teológica, não vale a penar gastar muito tempo neste assunto.

Os 144 mil - "Possivelmente o grupo dos 144 mil do cap. 14 não é o mesmo do cap. 7. Cremos que haverá um remanescente fiel de 144 mil judeus (na terra, Ap 7.4b) e um grupo de 144 mil primícias para Deus e para o Cordeiro (que chegam ao céu na primeira ressurreição, Ap 14.4b). Estas primícias são pessoas que buscaram um lugar perto do Senhor(...).

Levando-se em conta de que não se trata de um assunto que muda os fundamentos da fé, temos proposto que serão dois grupos de 144 mil. Em apoio a este ponto de vista, observamos que:

  1. São Judeus (cap. 7) selados para atravessarem a tribulação (na terra) e os 144 mil do cap. 14 se encontram com o Cordeiro sobre o monte Sião (figura do céu).
  2. Na Bíblia .primícia(s). nunca é usada com relação a Israel, mas usa-se com relação à Igreja (I Co 15.23, Tg 1.18).
  3. Tinham sido comprados da terra (Ap 14.3b). Esta linguagem fala de toda a terra, não somente dos judeus. O grupo do cap. 7 é nomeado especificamente como de judeus.
  4. Com relação à regra de não separar eventos entrelaçados por palavras depois destas coisas ou similares, os 144 mil judeus (cap. 7) seguem o sexto selo (última parte da tribulação) e outro grupo do capítulo 14 está no céu (sobre o monte Sião) depois da apresentação das bestas (início da tribulação).

Destacamos que esta interpretação concernente aos dois grupos de 144 mil não tem nada a ver com certas seitas falsas que limitam o número de 144 mil a pessoas salvas. Que céu tão pequeno e que deus tão minúsculo o destas seitas!" (Kepler Nigh . Manual de estudos proféticos, ed. Vida).

Bíblia fala de 4 ressurreições :

  1. A ressurreição dos crentes, que acontecerá imediatamente antes do arrebatamento . I Ts 4.16
  2. A ressurreição dos martirizados que não fizeram pacto com Satanás . Ap 19.1-8
  3. A ressurreição dos santos do milênio . não há nenhuma referência bíblica a esta ressurreição, mas a Bíblia diz que haverá mortos (Is 65.20), portanto deverá haver ressurrectos.
  4. A ressurreição dos ímpios, após a prisão eterna de Satanás.

A volta de Cristo

Aprendemos um pouco atrás a diferença entre arrebatamento e segunda vinda de Cristo. Porém é comum chamarmos este dois evento de segunda vinda. De uma certa forma é mesmo. Um exemplo claro disso é que chamamos o templo, o edifício onde nos reunimos, de igreja. Igreja mesmo é o corpo de Cristo, ou seja, nós. No entanto todos concordam que não há nenhum problema em chamarmos o templo de igreja.

Falaremos agora de alguns textos que apontam para o eminente arrebatamento da Igreja, porém nos referiremos como Segunda Vinda de Cristo, ou a Volta de Jesus, entretanto fica desde já esclarecida a ressalva.

"Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia" . I Pe 3.8. Isto tanto pode falar de modo profético, como também que Deus não está limitado à mesma dimensão de tempo dos seres humanos. Por esta razão, os sete anos em que a Igreja passará no céu, a espera que a Grande Tribulação acabe, será como alguns minutos apenas. Com este conceito básico, poderemos ver o primeiro texto: Gn 1.1 . 2.4.

O texto relata os dias da criação. Assim como Deus completou a obra em 6 dias, isto aponta para os dias da humanidade na terra, que seria de 6 mil anos. Apesar de muitos cientistas darem bilhões de anos para a o planeta, muitos outros concordam com a idade que a Bíblia nos permite constatar. Assim como o sétimo dia foi um descanso de Deus, em companhia do homem, assim será também agora: ao final dos 6 mil anos, o sétimo (o milênio de Apocalipse 20) será em companhia de Deus como governante mundial, na pessoa de Cristo.

As sete cartas de Apocalipse 2 e 3, descrevem os períodos da Igreja desde a sua fundação. Deus deu para a Igreja sete tempos para que ela estivesse atuando e exercendo autoridade na terra. Ao final destes sete tempos, ele voltará e a julgará para que, quem se achar inscrito no livro, receba o galardão a que tem direito.

Nestes dois capítulos João escreve sete cartas, para sete igrejas. Por que não oito, ou dez? O número sete aponta para a perfeição de Deus, sendo assim, são sete os períodos de tempo da Igreja.